quinta-feira, 13 de agosto de 2009

ESCALADA

Por Eliane Cantanhêde, colunista da Folha.

DiegoCasagrande.com.br

Todos os sábados, de duas a três horas, o presidente Rafael Corrêa apresenta-se no rádio aos cidadãos do Equador. O pretexto é prestar contas do que faz. Na prática, ele incita o ouvinte contra a imprensa, que acusa de "corrupta" e de "vendida", com um sugestivo fundo musical: "mentem, mentem, mentem... não param de mentir".

Isso lembra alguém, de algum lugar? Sim, lembra Hugo Chávez, da Venezuela, que inaugurou programas jogando a população contra a imprensa e agora vai da palavra aos atos: toda hora, manda fechar uma TV daqui, dúzias de rádios dali. Já são mais de 30.

O nível de manipulação popular contra TVs, rádios, jornais, seus donos e seus jornalistas vem num crescendo. Porque tudo que os governantes não querem é ler, ouvir e ver os desmandos de seus governos, de seus grupos de poder e até de seus familiares expostos à opinião pública. Preferem tudo intramuros, restrito aos seus palácios.
Rafael Corrêa, por exemplo, tem sido ousado nas políticas sociais, nos avanços da economia e na reordenação institucional de um país que chegou a ter oito presidentes numa única década. Mas os méritos que lhe rendem uma alta popularidade entre pobres e ricos não lhe dão o direito de calar a crítica, nem de ocultar que seu irmão, Fabrício, está enrolado com contratos de construção civil.

Governantes devem explicações aos seus governados. E quem não deve não teme, não é verdade?
Nada é perfeito, e a imprensa comete erros, às vezes gritantes. Mas não é fechando canais e decidindo quais devem morrer e quais devem sobreviver que Chávez vai depurar os procedimentos da mídia nem contribuir para a consolidação da democracia, nem na Venezuela, nem na América do Sul.

A imprensa não é para badalar o poderoso, mas para provocá-lo, cobrá-lo, muitas vezes irritá-lo. Mais vale um governante irritado do que um país sem a mídia para irritá-lo.

Essa escalada que parte dos Andes é, sem dúvida, preocupante. Você, que gosta de notícias, que acompanha a Folha e/ou a Folha Online, que está aqui lendo nossas Pensatas, deve ficar atento e reagir pelo direito de liberdade de expressão, porque começa assim, lá nos Andes, e depois se espalha por aí.
Na última reunião da Unasul (União das Nações Sul Americanas), aqui em Quito, Equador, onde ainda estou, a turma "bolivariana" tentou emplacar uma condenação à imprensa livre na declaração final, sem sucesso. Mas já foi um começo. É hora de dar um basta.

A mídia é central no sistema de pesos e contrapesos. E é como a democracia (ou o casamento, se preferirem): cheia de defeitos, mas ainda não inventaram nada melhor.

Leia Mais Aqui

Um comentário:

WORF NETO disse...

Ou a Catanhede disfarça muito bem ou está começando a enxergar a relidade!
ABRAÇÃO!