domingo, 30 de dezembro de 2007

Testamento dos prisioneiros patriotas do Vietname (excertos)

Temos de insistir na denúncia das condições de detenção absolutamente inimagináveis. Na prisão de Chi Hoa, a prisão oficial de Saigão, havia cerca de 8000 pessoas encarceradas sob o Antigo Regime, e este facto era severamente criticado. Hoje, esta mesma prisão encerra mais de 40000 pessoas. Com frequência, os prisioneiros morrem de fome, de falta de ar, sob tortura ou suicidam-se. [...]

Há duas espécies de prisões no Vietname: as prisões oficiais e os campos de concentração. Estes últimos estão perdidos na selva, o prisioneiro é ali condenado perpetuamente a trabalhos forçados, nunca é julgado e nenhum advogado pode assumir a sua defesa.[...]

Se é verdade que a humanidade actual recua com temor face ao desenvolvimento do comunismo, e principalmente da pretensa «invencibilidade» dos comunistas vietnamitas que «venceram o todo-poderoso imperialismo americano», então nós, prisioneiros do Vietname, pedimos à Cruz Vermelha Internacional, às organizações humanitárias do mundo, aos homens de boa vontade que enviem com urgência a cada um de nós um comprimido de cianeto a fim de que possamos por fim ao nosso sofrimento e à nossa humilhação. Queremos morrer imediatamente! Ajudem-nos a realizar este acto: ajudem-nos a morrer imediatamente. Ficaremos imensamente reconhecidos.

feito no Vietname, do mês de Agosto de 1975 ao mês de Outubro de 1977

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Crimes contra a humanidade - Comunismo

Escrito por Milla Kette

colaboração do professor de História Paulo Diniz


O dia 11 de setembro de 2001 marcou para sempre as vidas dos que perderam amigos e parentes naquele bárbaro ataque. Alguns, no entanto, desculparam essa monstruosa carnificina, afirmando que os americanos fizeram por merecê-la — como se assassinatos em massa tenham razões justificáveis. Quando pergunto o que exatamente os EUA fizeram, recebo insultos como resposta. Em e-mail recente, após ironicamente desculpar-se, Marcelo, um leitor brasileiro, confessou que "de uma maneira mais política ou figurativa", foi "bonito" ver "a destruição do suposto invencível e a quebra de uma imagem, até então, tida com invulnerável". Não só insensível e revoltante, quanto desinformada opinião, pois o WTC abrigava empresas de oitenta países. Para ele "os EUA dominam o mundo através do massacre" (do que não deu um único exemplo), e isso justifica a morte de trabalhadores, policiais e bombeiros, cuja maioria dos corpos não será jamais resgatada da massa de detritos que foi um dia um local de trabalho.


Tenho pensado nos motivos que poderiam de alguma maneira justificar que seres humanos perpetrassem tal monstruosidade. Li a pesquisa de Seth Stevenson sobre o Corão <http://slate.msn.com/?id=117525>, onde se relacionou passagens que, claramente, incitam à morte de infiéis. Admitindo por um instante que os ataques aos EUA tiveram razão de ser, pesquisei e relacionei casos de violência no mundo. Descartei o Corão e iniciei a lista no século XX. Cenas pavorosas estampadas na tela do computador foram imediatamente apagadas; mas os mecanismos da mente não deletam as imagens armazenadas com um clicar do mouse. Constatei que muitos fatos foram relegados ao esquecimento. Onde os dedos acusatórios a relembrar que o governo da Croácia (antiga Iugoslávia) eliminou mais de trezentos mil sérvios durante a Segunda Guerra Mundial? E a indignação frente aos meses de horrendos massacres de milhares de civis alemães, perpetrados por russos, tchecos e poloneses no final dessa Guerra?


Os japoneses ficaram famosos por sua crueldade. Na Universidade de Kyushu (em Fukuoka, entre Hiroshima e Nagazaki), durante a Segunda Guerra, médicos dissecavam prisioneiros de guerra (chineses, americanos, russos) enquanto ainda vivos e executavam experiências em mulheres grávidas (perpetrando até estupros a fim de usar bebês nos experimentos). O príncipe Mikasa visitou a famosa Unidade 731 da Milícia Imperial na China e descreveu em suas memórias os filmes que assistiu, onde prisioneiros chineses marchavam pelas planícies da Manchúria, a fim de levar adiante experimentos de gás venenoso em seres humanos. A 39a Divisão de Hiroshima conduziu massacres na China Central, que mataram centenas de milhares de civis próximo a Changsha. Em 1937 a Armada Imperial Japonesa lançou um ataque de seis semanas sobre a cidade de Nanjing (China), quando trezentas mil pessoas (na maioria, civis) foram brutalmente mortas e suas genitálias, mutiladas. Calcula-se que vinte mil mulheres foram estupradas e mortas por grupos de soldados; as que sobreviveram, acabaram nos bordéis do exército. Não se lê, também, a verdade sobre as bombas que assolaram Hiroshima e Nagazaki e dobraram a cerviz japonesa. Elas destruíram duas cidades, mas salvaram as vidas dos quatrocentos mil prisioneiros, aliados e civis, que seriam executados caso os americanos invadissem o Japão, e encerraram a participação dos japoneses na guerra.


Nas Filipinas, no sul da península de Bataan, em 9 de Abril de 1942, os japoneses obrigaram setenta e oito mil prisioneiros de guerra americanos e filipinos a marchar 88 Km sob temperaturas de 40o C, em terreno difícil, sem alimentação ou água. A Camp O’Donnell chegaram apenas cinqüenta e quatro mil POW’s, pois além da fome, os japoneses distribuíam bastonadas, golpes de baionetas e bordoadas pelo caminho; os corpos dos que tombavam (mesmo vivos) eram abandonados à beira da estrada. No destino, mais horrores aguardavam os sobreviventes da Bataan Death March: três anos de cativeiro, tortura física e mental, doenças, desnutrição, falta de remédios e alimentos.


Mao Zedong condenou à morte pela fome quarenta milhões de camponeses chineses, ao pretender que a economia chinesa desempenhasse mais rápido, em mais quantidade, melhor e com menos custo que a Ocidental. Em junho de 1989 o protesto na Praça de Tiananmen terminou com o Exército de Liberação do Povo matando centenas de simpatizantes da Democracia, ferindo outros dez mil e prendendo centenas de estudantes e trabalhadores. O governo chinês continuou com as prisões, julgamentos sumários e execuções e a imprensa estrangeira foi banida do país. Onde os comentários de revolta contra o número jamais decrescente das vítimas da repressão chinesa nas prisões?


A África não foi vítima apenas do imperialismo inglês, francês, italiano, holandês, português, espanhol. Tiranos locais apressaram-se em oprimir seus conterrâneos, assim que se viram livres do demônio branco. Idi Amim e Milton Obote, seu sucessor, juntos, teriam assassinado meio milhão de ugandenses nas décadas de 70 e 80. Eles liquidaram chefes de justiça, ministros, o vice-chanceler da Universidade de Makerere e um bispo anglicano. Quando os EUA e a Inglaterra interromperam o auxílio econômico em 1972, Amim encontrou apoio na Líbia e União Soviética. Ao fugir de Uganda em 1979, refugiou-se na Arábia Saudita e jamais respondeu por seus crimes. E o tal Tribunal Internacional? É só pra gringo?



Em 1994 estima-se que um milhão de pessoas (maioria tutsi) foram massacradas em Ruanda por extremistas hutu; seus corpos mutilados abarrotaram rios. No antigo Congo Belga e em Biafra (Nigéria), as guerras que se seguiram à independência do primeiro e a tentativa de libertar-se da Nigéria por parte do segundo, geraram mais de um milhão de mortos. Quando marxistas assumiram o governo da Etiópia, após 1977, o país enfrentou inúmeras guerras, sustentadas por tropas cubanas e armas soviéticas, adquiridas a peso de ouro, enquanto assistíamos o povo morrer de fome pela TV na década de 80 (On War: The Ogaden War 1977-1978). No Sudão, cristãos são massacrados, vítimas do fanatismo islâmico (armado pelos chineses). Na América Latina, o auxílio financeiro que o Haiti recebia dos EUA foi suspenso em 1961. Ainda assim, o regime de Papa Doc executou dois mil inimigos políticos em seis anos. Houve uma fuga em massa de haitianos em direção às Bahamas e os EUA no final dos anos 70 e início dos anos 80. No Peru, o Sendero Luminoso executou barbaramente milhares de civis durante os anos 80. Onde a revolta?


Em apenas três anos o cabeça do grupo comunista Khmer Rouge, Pol Pot, devastou o Camboja. Eles assassinaram, fizeram trabalhar até a morte em plantações e mataram de fome quase 20% de uma população de sete milhões e trezentos mil habitantes — todos sacrificados às maravilhas do comunismo! Um dos mais horrendos massacres ocorreu na segunda metade de 1978, na fronteira Norte com o Vietnã, onde a resistência ao Khmer era forte; ao menos duzentas e cinqüenta mil pessoas foram mortas num único assalto. Entre os defensores desse regime brutal e sanguinário (que até livro escreveu), está o conhecido lingüista Noan Chomsky, convidado especial do Fórum Social de 2002 em Porto Alegre.



Na Rússia, Lenin matou milhões de proprietários de terra com seu plano de relocação; os que se opunham a suas idéias, desapareciam. A URSS saiu da frigideira para o fogo com seu sucessor e, afirmam alguns, seu assassino, Stalin. O país viveu dias de sofrimento quando ele resolveu limpar o partido comunista, o governo, as forças armadas e a Inteligência, entre 1934 e 1938; milhões de inimigos do povo foram presos, exilados ou fuzilados. Milhares morreram de fome na década de 30 — num país onde, durante o último ano de paz do regime Czarista, exportou-se mais de nove milhões de toneladas em grãos! O Livro Negro do Comunismo e o site http://www2.hawaii.edu/~rummel/welcome.html, para citar dois exemplos, trazem horripilantes imagens e informações sobre os que pereceram e os que sobreviveram aos famosos Gullags, campos de "reeducação" da Rússia, na verdade, campos de trabalhos forçados! Ambos fornecem dados referentes a inúmeras atrocidades (inclusive com gráficos, estatísticas e tabelas), cometidas por vários regimes autoritários e totalitários do século passado e "democracias populares" ao estilo soviético.



O regime dos Aiatolás no Irã foi responsável por repressões e massacres após a tomada do poder, em 1979. Saddam Hussein usou gás mostarda para aniquilar mais rapidamente milhares de curdos no nordeste do Iraque, em 1988. Quanto a Usama bin Laden, Muammar al Qaddafi, Yasir Arafat, Milosevic, Castro, etc, não tenho mais energia nem nervos. Mas meu ponto é muito simples: por que os fatos que relatei nesse texto são esquecidos? Por que não foram cometidos pelos EUA? Será que os atentados do dia 11 de Setembro também cairão no esquecimento?



Genocídio cometido pelo Japão na China (site chinês): http://www.centurychina.com/


Estudos pelo Royal Institute of Technology (Suécia), departamento N.A.D.A., sobre tiranos: http://www.student.nada.kth.se/~f91-gli/dictator_gallery/index.html


The Khmer Rouge Canon 1975-1979: The Standard Total Academic View on Cambodia:
(http://jim.com/canon.htm); tese de doutorado de Sophal Ear menciona Chomsky.


Memórias, príncipe Mikasa: "Fiquei sabendo sobre um jovem oficial — e o choque foi maior ainda, pois foi meu colega, quando estudava para oficial — que usava prisioneiros vivos como manequins, a fim de treinar o uso da baioneta e aumentar a potência do golpe. Mostraram-me também filmes onde trens de carga e caminhões transportavam grandes quantidades de prisioneiros de guerra chineses para as planícies da Manchuria; ali, eles serviriam de cobaias vivas para experiências com gases tóxicos. Um médico militar de alta patente, que tomou parte nessas experiências, contou-me que antes disso, quando Lord Lytton e os representantes da Sociedade das Nações chegaram para verificar o incidente da Manchuria, tentaram dar aos membros desse grupo, frutas contendo bacilos da cólera, mas a operação não teve sucesso".



sábado, 6 de outubro de 2007

APRENDENDO A SER UM MISERÁVEL

por Marcelo Scotton

Um amigo petista disse que Lula e o PT gostam de pobres. Concordei na hora, é claro. Tanto gostam que mantêm o país com uma massa de pobres e miseráveis do jeito que estão, devidamente abastecidos com programas assistencialistas paliativos e nenhuma perspectiva de sair dessa situação. O desemprego continua em alta, de mãos dadas com o Bolsa Família.

Na marcha rumo ao modelo venezuelano de massificação da pobreza, a classe média sofreu um duro golpe: a prorrogação da CPMF. Ou seja: não satisfeitos com o elevado número de pobres e miseráveis existentes no país, a saída agora é achatar a classe média, trazendo-a para a pobreza, impingindo-lhes impostos cada vez maiores e retorno cada vez menor.

É claro que a classe média também tem culpa no cartório. Afinal, senão toda ela, ao menos boa parte oferece cumplicidade ao governo que aí está. Não só nos conceitos politicamente corretos, mas também na aceitação da barganha que o governo oferece. Assim como a felicidade dos pobres é garantida com o assistencialismo paliativo e populista, a felicidade da classe média é mantida com a oferta de milhares de concursos públicos todos os anos.


O que poucos pensam – ou tem condição de pensar – é como estes milhares de empregos públicos criados a cada ano serão pagos. Muitos pensam que a solução é a simples emissão de moedas, desconsiderando os princípios da inflação.

É claro que os empregos públicos serão pagos com o aumento maciço dos impostos e com o acréscimo da dívida pública interna, atualmente impagável. Quanto mais impostos, menos dinheiro no nosso bolso, e mais dinheiro no bolso do estado. E a qualidade da aplicação deste dinheiro, todos nós já conhecemos muito bem qual é.

Enquanto o mundo inteiro caminha para o progresso econômico, caminhamos para um retrógrado socialismo barato, onde toda a economia do país ficará cada vez mais na mão do estado. E nós, cada vez mais dependentes dele.


Ali Kamel, jornalista de O Globo, denunciou o que vem sendo ensinado nas escolas públicas no Brasil: a adoração a líderes sanguinários de esquerda como Mao Tse Tung e Fidel Castro e a criação de inúmeras inverdades históricas, como o motivo da derrocada da URSS e os conceitos – deturpados – de capitalismo e socialismo. Será que um dia vão nos ensinar a gostarmos de ser miseráveis? Quem sabe a gente não se acostuma?

Materia do Site Diego Casagrande

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

BOQUINHA INSACIÁVEL

por Valdo Cruz, na Folha de S.Paulo

Nunca antes na história deste país falou-se tão aberta e explicitamente de distribuição de cargos entre os partidos da base aliada. Taí, essa bem que poderia ser mais uma das inúmeras conquistas que o presidente Lula costuma alardear como realizações de seu governo.

Não que ela seja uma prática nova, mas é fato que na administração petista passou a ser debatida à luz do dia. Talvez até seja uma virtude, expor publicamente as mazelas do jogo do fisiologismo. Quem sabe o eleitor um dia se toca e toca pra fora do Congresso esse pessoal.

Essa, sim, seria uma grande realização lulista, que sucumbiu ao toma-lá-dá-cá, como seus antecessores. Os petistas se defendem dizendo que foram obrigados a seguir a mesma trilha para governar o país.

Nada mais falso. Se tem um partido que se converteu rápida e alegremente à corrida por cargos públicos, foi o PT. Como, então, condenar o apetite dos aliados por boquinhas em ministérios e estatais se o deles é insaciável?

Por sinal, aí está a origem da derrota imposta pelos senadores peemedebistas ao governo na semana passada. Silenciosamente, petistas foram roubando cargos do setor elétrico sob controle do PMDB.

De uma lista de 26 cargos pleiteados pelo partido ao Palácio do Planalto, cerca de dez ainda estão indefinidos. A maioria em estatais ligadas ao Ministério de Minas e Energia, onde se concentra o interesse dos senadores peemedebistas, e o PT foi acampando como quem não queria nada. O que os peemedebistas não dizem abertamente, mas protestam reservadamente, é que essa estratégia contou com o aval do presidente Lula, que acabou recebendo o troco no Senado.

O fato é que o PMDB mostrou ao presidente que sabe lidar com seu jogo de empurra, que costuma prometer, mas cumprir só com a faca no pescoço. Algo lá não muito eficiente. Mas, se essa é a regra, diz o PMDB, que seja seguida. Com muito prazer.


segunda-feira, 17 de setembro de 2007

A Esquerda da França procura se unir contra Sarkozy


Depois quatro Meses da Derrota de Segolene Royal nas eleições presidenciais na França, a Esqueda Francesa se reuni para responder contra a Politica Social de Nicolas Sarkozy na França, entre eles o Partido Socialista e o LCR ( Liga Comunista Revolucionario ).


A Partir dessa reunião, vamos presenciar evidentimente, uma oposição extremamente irresponsável , igual ao que tivemos no Brasil nos anos noventa , quando o PT era oposição ao Governo de FHC. São Partidos de extrema-esquerda que vão tentar prejudicar o andamento dos projetos do Governo Frances, querem trasformar a França num país comunista, e sabemos muito bem como se comporta essa esquerda, sempre gritando de maneira arrogante e sem perspectiva política.


Portanto, através dessa reunião é bom os Franceses se preocuparem com o futuro, pois essa oposição, é a pior oposição que existe, são comunistas querendo voltar a época da "Comuna de Paris", até mesmo o PS, que é o partido mais light da esquerda, pretende praticar uma oposição ferrenha, claro, como sempre os comunistas são vingativos, e não pensam em ajudar o seu proprio país, primeiro a sua Ideologia, depois os interesses da França. Lamentavel!


Fonte: Le Figaro

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Senado Brasileiro é Pau de Galinheiro


O Senado Brasileiro demonstrou mais uma vez que não esta a favor da opinião pública, e votou contra a cassação de Renan Calheiros. Para os Senadores, pouco importa o que a população pensa, o importante é manter os interesses da casa, e a absolvição do presidente do senado é mais um capitulo triste do Congresso brasileiro.


Depois do resultado da votação, em nota, Renan disse que a sua absolvição é a “Vitória da Democracia”. Será que eu vi bem? Democracia? Desde quanto fechar a porta do congresso na cara do brasileiro é democracia? Uma sessão secreta nunca pode ser considerada como uma democracia, o povo brasileiro tem o direito de saber sobre aqueles que são contra a opinião pública, e exigir respostas.


O PT foi decisivo para o resultado da votação, e ainda dizem com orgulho, que formaram a bancada da “abstenção”. A sigla que durante oito anos da gestão FHC pregava ética e moralidade, agora não têm vergonha na cara de dizer que são a favor da corrupção (ou como bem diz os petistas, desvio de conduta). A articulação feita pela quadrilha do Mercadante horas antes da votação, contribuiu pela permanência de Renan Calheiros a presidência do Senado.


Enquanto isso no Japão, o primeiro-ministro Shinzo Abe, anunciou a sua renuncia, após um ano no poder marcado por escândalos de seus ministros. Imagine essa situação aqui no Brasil, no qual os ministros e amigos do presidente Lula estavam metidos em escândalos muito piores comparados ao do Japão. Mas é só dizer que não sabia de nada, e as coisas se esclarecem. Eu acho que o primeiro-ministro japonês não aprendeu com o Lula, ou melhor, o povo japonês não tolera piadinhas sem graça.


Voltando a absolvição de Renan Calheiros, acho que a melhor definição sobre o episodio de ontem, foi dada pelo Senador Demóstenes Torres:


“A Imagem do senado, hoje, é a de um pau de galinheiro”.


Estou de pleno acordo!

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

LULA: O POBRE METALÚRGICO RICO

por Christina Fontenelle

Esta semana a coluna do Cláudio Humberto falou sobre a nova casinha de veraneio do pobre presidente Lula no Guarujá (SP). Segundo declarou ao TSE, antes das eleições presidenciais do ano passado, o presidente possuía uma caminhonete, uma modesta chácara e um apartamento em construção no Guarujá (SP), cujas prestações ainda estariam sendo pagas. O presidente, à época, havia dobrado o seu patrimônio declarado, desde as eleições de 2002. O feito já era um pouco fantástico para uma pessoa que teria vivido apenas de seu salário de presidente, mais a aposentadoria de anistiado (R$ 4 mil) e algumas aplicações.



O apartamento do Guarujá foi comprado através da cooperativa habitacional Bancoop, do Sindicato dos Bancários – na época em que o deputado federal Ricardo Berzoini presidia a entidade. Muitos petistas compraram apartamentos através dessa cooperativa. Num dos empreendimentos, por exemplo – o Torres da Mooca – possuem unidades Rogério Aurélio Pimentel, José Carlos Espinoza e Osvaldo Bargas. Os do caso VEDOIN-DOSSIÊ-DE ONDE VEIO O DINHEIRO? Os próprios. Estão sentindo falta de alguém? Pois é, olha ele aqui – é o Freud Godoy. O ex-chefe da segurança de Lula, que trabalhava no Gabinete da Presidência da República, antes do escândalo do Dossiê, recebendo salário de R$ 6,3 mil por mês, possui, pelo menos, uns quatro apartamentos espalhados por São Paulo – mas não sei se são todos da Bancoop. A única coisa que eu sei é que a Polícia Federal chegou a descobrir que um pequeno apartamento de Freud Godoy teria sido alugado para o assassinado prefeito Celso Daniel. Não sei como anda o caso.


Voltando ao presidente, e de acordo com outra nota de Cláudio Humberto, Lula parece ter decidido comprar a nova casa, que fica num dos mais luxuosos condomínios do Guarujá, o Iporanga, depois de ter ido passar boa parte das férias do verão passado (já depois das eleições) na casa do ex-ministro da justiça Márcio Thomaz Bastos. Também possuem casa no Iporanga, a viúva do ex-ministro de FHC Sérgio Motta e Luiz Carlos Mendonça de Barros, ex-ministro de Fernando Henrique Cardoso.


Quem vai financiar o casebre? É a Bancoop outra vez – agora sofrendo acusações de fraude, de superfaturamento, de apropriação indébita e de formação de quadrilha (pobres trabalhadores atrás de justiça é o que não falta).


As casas do condomínio santista não custam menos do que R$ 2 milhões cada. Mas, para os paulistas, o lugar é considerado como sendo de classe média alta. Nesse caso, eu seria o quê? Pobre ou Muito Pobre? E o restante dos 80% do povo brasileiro? Estariam na classe dos Miseráveis ou dos "Cutuca esse cara e avisa que ele já morreu"?


Tem gente especulando sobre de onde teria vindo o dinheiro do presidente para comprar uma casa nesse valor, já que seus vencimentos não suportariam nem as prestações e nem eventualmente a possibilidade de que tenha acumulado reservas financeiras de tão grandes proporções. Já eu tenho outras curiosidades: como é que Lula vai fazer para conviver com gente para qual ele sempre disse que não gostava de governar? Será que vai conseguir sair de casa sem ser vaiado? E, ainda: por que é que o presidente não resolveu comprar uma casa nos lugares onde mora o povão que ele diz adorar e para o qual distribui bolsa-voto?

terça-feira, 28 de agosto de 2007

Duas ou Tres coisas que voce precisa saber sobre Cuba


Texto anônimo (de origem venezuelana, queestá circulando pela internet)


Você sabia que em Cuba o talão de racionamento está calculado para 1.800 calorias por pessoa e que muitos produtos mencionados no talão só existem em fantasia, enquanto outros aparecem e desaparecem conforme as colheitas?


Você sabia que quatro anos atrás o talão de racionamento era de 1.600 calorias, que houve uma epidemia de doenças mentais e de crianças nascidas defeituosas, que Fidel lançou a culpa disso sobre uma suposta guerra biológica empreendida pela CIA, que a Organização Mundial da Saúde descobriu que era um problema de avitaminose causada pelo racionamento de vitaminas e proteínas, que a OMS então enviou pastilhas multivitamínicas para socorrer a população cubana e obrigou o governo a subir a ração para 1.800 calorias?


Você sabia que em Cuba não se consegue obter, porque não constam do talão de racionamento, nem papel higiênico, nem sabonete, nem toalhas sanitárias, nem leite para adultos, entre outras coisas?


Você sabia que em Cuba está proibido o acesso dos cidadãos à internet, que dá cadeia ler coisas proibidas pelo regime, ouvir rádios e ver estações de TV estrangeiras, que é delito opinar contra o regime, que os Comitês de Defesa da Revolução, que funcionam em cada quarteirão, mantêm um registro das atividades de todos os moradores e que quem conste como suspeito de não apoiar o regime está encrencado?


Você sabia que em Cuba os encanamentos estão obsoletos e estragados e mais de 50 por cento das casas não recebem água diretamente? Que a água, onde chega, é somente por algumas horas, e que, onde não chega, os caminhões-pipa só vêm uma vez por semana?


Você sabia que em Cuba a eletricidade só funciona algumas horas por dia, que os apagões são diários, estragando os poucos equipamentos elétricos que restam na ilha?


Você sabia que Fidel justifica sua revolução por seus supostos êxitos na saúde e na educação, mas que em matéria de saúde Cuba está no quinto lugar na escala latino americana segundo as estatísticas mais recentes da OMS (abaixo, por exemplo, do Chile, da Argentina e do Uruguai)? Você sabia que em educação Cuba está abaixo do Chile, da Argentina, do Uruguai e da Costa Rica, segundo a Unesco?


Você sabia que no convênio Cuba-EUA, firmado por causa da multiplicação de balseiros fugitivos, os EUA recebem anualmente 22 mil cubanos, só em imigração legal, enquanto na lista da Seção de Interessados, em Havana, constam mais de 700 mil aspirantes a ir embora para Miami, embora todos os fichados como emigrantes virtuais sofram as piores represálias, sejam condenados a trabalhos forçados e seus filhos sejam obrigados a freqüentar escolas especiais de "reeducação revolucionária"? Você sabia que, apesar de todos os riscos, quem tenha acesso a uma embarcação e a uma bússola se lança ao "mar da felicidade", fugindo daquele inferno?


Você sabia que Fidel usa como desculpa de seu tremendo fracasso o suposto bloqueio do imperialismo internacional, ao mesmo tempo que seu chanceler Perez Roque se gaba de que Cuba tem relações comerciais com 115 países e de que recebe créditos preferenciais do Banco da União Européia?


Você sabia que o que realmente se passa é que Cuba não tem nada para vender, nem com que pagar o que compra, que suas indústrias são muito atrasadas em tecnologia, improdutivas e sem competivividade, com uma burocracia excessiva e um enorme desemprego, dirigidas por líderes políticos e personagens fiéis à revolução e não por uma gerência profissional?


Você sabia que as jineteras, prostitutas cubanas, são o mais moderno exemplo da mais nova moral revolucionária?


Por último:


Você sabia que Cuba é o último reduto de um sistema que foi expulso a pontapés pelos povos da Europa Oriental, que os habitantes desses países consideram que aquilo foi um pesadelo que não querem recordar, e que os Partidos Comunistas, envergonhados e desprezados, mudaram de nome para enganar com nova máscara?






sábado, 18 de agosto de 2007

Che Guevara Covarde, Assassino e Cruel


Por Doutrina Linear.


Ernesto Guevara de la Serna, filho de Ernesto Guevara Lynch e Célia de la Serna, nasceu em Rosário, Argentina, a 14 de junho de 1928 e felizmente foi morto no dia 8 de outubro de 1967 com 39 anos voltados a barbárie, ao assassinato e ao terrorismo. Infelizmente muitos jovens desinformados acreditam que Che Guevara foi um heroi.Quem foi 'Che'? Uma maravilha, como "ensinam" alguns professores comunistas? Ou um assassino frio, como algumas pessoas comentam? Tire suas próprias conclusões...


Conheçamos Che Guevara, um homem retratado à feição de um Jesus Cristo mas que poucos conhecem sua verdadeira face. Examinemos seus mestres, seus ídolos e os países que admirava:


Lênin, o fundador do Estado Soviético, um dos ídolos de Che Guevara, disse em 1891: "A fome tem várias conseqüências positivas (...) a fome nos aproxima de nosso alvo final, o socialismo, etapa imediatamente posterior ao capitalismo. A fome destrói assim a fé não somente no Czar, mas também em Deus".


Depois, em 1921, por ocasião de uma grande fome, quando já era o líder máximo, Lênin reafirmou que "a fome deveria servir para ferir mortalmente o inimigo (Igreja Ortodoxa)". E foi mais além, proibiu ajuda aos famintos. Quem os ajudasse, poderia ser até preso. Pereceram nessa fome 6 milhões de pessoas.


Che Guevara estudou Lênin, admirou-o, e provavelmente leu também o seguinte discurso leninista: "É preciso lutar contra a religião", "o marxismo é incondicionalmente ateu, decididamente hostil a qualquer religião".


Stalin, uma das figuras mais perversas deste século. Responsável diretamente por milhões de mortos, pelos processos de Moscou, pela fome deliberada na Ucrânia, pelo Gulag. Seus crimes foram denunciados por Krushev a partir de 1956.


Foi essa figura a quem Che Guevara jurou: "diante de um retrato velho e prateado do camarada Stalin, jurei não descansar até ver esses polvos capitalistas aniquilados". Por ocasião de sua visita a Moscou, Che ficou bravo com o embaixador cubano porque este se opôs a depositar flores no mausoléu de Stalin.


A Mao Tse Tung, Che tinha grande admiração, e o conheceu pessoalmente numa viagem a China. Qual era o motivo da admiração? Talvez porque Mao tenha ordenado a invasão do Tibet nos anos 50, na qual 1 milhão de pessoas morreram (1 em cada 8 habitantes), e na qual monges foram enterrados vivos. Talvez por ter instalado na China uma das mais perversas ditaduras de que a história teve notícia ...


Che também admirava desde jovem os comunistas da Guerra Civil Espanhola. Esses comunistas ficaram famosos por torturar, esquartejar e matar padres durante a guerra. Um dos comunistas que participou da guerra civil, Angel Ciutah, ajudou Che a criar o serviço de segurança do Estado, para proteger o estado revolucionário cubano.


O serviço de segurança ficou famoso depois da morte de Che porque era um exemplo de eficiência na arte da tortura, das provas forjadas e dos assassinatos. Huber Matos, que lutou ao lado de Che e Fidel, foi a primeira das vítimas. Apenas porque discordou do "comandante", foi executado.


Che dizia que a solução para os problemas do mundo estava atrás da Cortina de Ferro. O que havia lá de tão excelente? Além do Gulag, da perseguição religiosa, dos massacres, da fome premeditada, das polícias políticas? E havia o Muro de Berlim na Alemanha Oriental... Quem quisesse escapar da miséria pulando o muro era fuzilado.


Em 1956 na Polônia a multidão, num protesto contra o governo totalitário, gritava "pão e liberdade". Foi reprimida a bala, o que ocasionou dezenas de mortos.


Em 1956, na Hungria, houve a revolução anti-totalitária, na qual a população resistiu com armas na mão contra a invasão soviética. Pereceram 3.000 pessoas; 200.000 fugiram.


Talvez a solução dos problemas do mundo estivesse com o camarada Enver Hoxa, que proscreveu a religião na Albânia, ou então com os expurgos internos de Tito na Iugoslávia, ou ainda com o governo corrupto de Ceaucescu na Romênia.


Por que Che escreveu: "Dos países que visitamos, a Coréia do Norte é um dos mais extraordinários" ? Talvez ele tenha gostado da Guerra da Coréia provocada pelo governo do norte, na qual 500.000 pessoas morreram; talvez tenha admirado o grande expurgo interno promovido por Kim Il Sung ocorrido algum tempo antes de sua visita, no qual o líder coreano perseguiu e matou milhares de opositores do regime.


Por que Che disse: "na China não se vê nenhum dos sintomas de miséria que se vêem em outros países" ? Deve ter-se referido ao "grande salto para frente" de Mao, projeto econômico na China, envolvendo entre outras coisas a coletivização forçada. O resultado do projeto foi a maior fome de toda a história. Mao chegou a exportar comida e impediu a aceitação de ajuda externa. Pereceram mais de dez milhões de chineses.


Che disse: "Cuba devia seguir o exemplo de desenvolvimento pacífico mostrado pela URSS". O que era "desenvolvimento pacífico" para ele? O racionamento de comida feito por Lênin? O Gulag? Os expurgos de Stalin? A política anti-religiosa de Krushev? A burocracia corrupta de Brejnev? Os inúmeros massacres e perseguições que o Partido Comunista impôs aos soviéticos?


Realmente, Cuba, a ilha-prisão, seguiu bastante o exemplo da URSS: corrupção, expurgos internos, assassinatos, repressão, campos de trabalho forçado (que Che ajudou a construir) etc. Mas o que mais caracterizou a revolução cubana foi o "Paredón", em que Che teve participação ativa, principalmente em La Cabaña. Quantos ele matou lá? 300, 400?


Junto aos seus ídolos Lênin, Stalin, Mao e companhia, Che contribuiu para a construção do regime que mais matou pessoas em toda a história, o chamado "socialismo real", responsável por mais de 100 milhões de mortos. Nada perde ele, portanto, diante do nefasto nazismo.


Mas talvez nem esses 100 milhões de vítimas ainda não bastem para derrubar esse mito que transformou um criminoso arrogante e intolerante com sua ideologia mentirosa em um santo aos olhos daqueles com preguiça de aprender História.


sábado, 21 de julho de 2007

O quadro da doença no Brasil - O Petismo e o Lulismo


Os Vírus da Mediocridade estão se alastrando na sociedade brasileira, sempre encontrando razões para manipular a massa cada vez mais doentia, comprado pela imagem de um proletariado nordestino que venceu na vida, e que hoje se utiliza dessa imagem para proteger seus amigos corruptos no Congresso Nacional Brasileiro. A Insanidade petista esta afetando todas as verdades, e criando conspirações em torno da suas próprias falhas, tornando as mentiras em algo verdadeiro, como tentam e fazem com Fernando Henrique Cardoso, no qual o acusaram durante toda a sua gestão, de ser um político “neoliberal” e “entreguista”. Para os Petistas mais fanáticos isso é uma pura verdade, sem mesmo analisar os fatos e a política como ela é.


É preciso deixar bem claro, que estamos vivendo duas frentes, o Petismo e o Lulismo:


O Petismo:


O Petismo tenta ainda passar uma imagem de um partido marxista, e que sempre esta a favor do proletariado, mas que nos últimos anos esta sendo prejudicando com enormes escândalos, sendo assim, perdendo fieis para Partidos como P-SOL e PC do B, por exemplo, e que já vêem o PT como um partido traidor, e por incrível que pareça, Neoliberal. Ainda sim, procurando resgatar o seu marxismo atrasado, procura colocar os seus vírus na camada estudantil, sindicalista, Sociais, e em setores públicos.


Enquanto o PT estiver no poder, em qualquer Lugar essa doença sempre ocorrerá nesses setores, instituições como a CUT, UNE, MST entre outros, são sempre beneficiados economicamente, com um único objetivo de propagar o petismo, e continuar a espelhar o “marxismo romântico”.


O Petismo não aceita a democracia, não aceita criticas, não aceita ter cometido erros, e com isso sempre procura arranjar desculpas, como a velha mania de culpa o governo anterior, ou ate mesmo criando Teoria da conspiração, como o que fizeram agora, justificando as vaia ao presidente Lula na abertura do Pan, com o possível mando de Cesar Maia, atual prefeito do Rio de Janeiro.


O PT não tem a mínima preocupação com o sentimento do brasileiro, o maior exemplo disso, foi o Marco Aurélio Garcia, fazendo gestos ofensivos após assistir a uma reportagem na televisão, no qual se colocava em questão o defeito mecânico do avião. Pouco importou naquele momento as vidas perdidas no acidente, pouco importava para ele o sofrimento dos familiares depois da tragédia. A preocupação do Marco Aurélio Garcia, era fugir de sua responsabilidade, era não quebrar a imagem do PT perante a sociedade, comportamento típico dessa doença chamada Petismo.


O Lulismo:


É uma doença que se encontra em regiões mais pobres do Brasil, sustentado pela imagem de um proletariado que lutou e chegou à presidência, e que ainda tem a ajuda da Bolsa Família, atrelado ao Lula paz e amor, personagem esse criado durante as eleições de 2002, pelo então Duda Mendonça.


Antes das eleições de 2002, Lula era um político do PT, e que era prejudicado pela sua própria arrogância diante das câmeras, isso dificultou nas eleições de 1989 contra o Fernando Collor, e nas duas derrotas que teve com o FHC, nas eleições de 1994 e em 1998.


A Vitoria de Lula se deve a uma grande jogada de marketing, ele passou a ser mais carismático, começou a se vestir melhor, a sorrir paras as câmeras e principalmente, a ser demagogo. Ele sempre fala da sua vida difícil e pobre, para manipular a classe mais pobre do país, e assim, proliferando toda essa doença Lulista para cima da população.


A Governabilidade do lulismo esta presente também no gerenciamento da maquina pública, o aumento significativo de cargos tem por objetivo fazer aliados, proporcionando sua manutenção e reprodução enquanto força política no estado brasileiro. Em troca disso, Lula usa a sua própria imagem para defender corruptos do seu partido e aliados como Renan Calheiros. Uma doença que infelizmente consome aqueles que não têm preocupação com a moral e a ética no país.


Essas duas frentes de pensamento estão criando uma alienação em toda a sociedade brasileira, e para isso devemos achar a cura dessas doenças, antes que seja tarde demais.

sábado, 30 de junho de 2007

Cuba, a ilha-prisão - Politica e Sociedade


Escrito por Marcelo Andrade


"A revolução de Fidel foi a revolução do ódio, da vingança e das vítimas."(Papa João Paulo II)


Passados quase dez anos da queda do muro de Berlim, ainda há muitas pessoas que admiram Cuba e seu ditador, Fidel Castro. Na verdade, desde muito tempo, Cuba é um mito, não só dos comunistas e dos esquerdistas. Há vários católicos e religiosos que elogiam a ilha-prisão, o que é vergonhoso. Fala-se muito de sua baixa mortalidade infantil, de seus sistemas de saúde e de ensino, da ausência de desigualdades sociais. E, cúmulo do absurdo, dizem que Cuba é o retrato da verdadeira solidariedade cristã! Faremos aqui um breve resumo da história e da realidade atual de Cuba para mostrar que a ilha está longe de ser um "paraíso" como imaginam os seus admiradores. Baseamos nosso trabalho no "Le livre noir du communisme", e em diversos artigos de jornais e revistas: "O Estado de São Paulo", "Veja" e em especial no artigo de 28/12/98 da "Folha de São Paulo".


O objetivo maior da frente de oposição a Fulgêncio Batista (Fidel Castro fazia parte dela) era derrubá-lo do poder e fazer eleições, pois diziam querer a Democracia para Cuba. O próprio Fidel, em 1957, admitiu que não queria o poder; só queria voltar a advogar.


Fidel tomou o poder em 1959, e aí começou o terror: foram executadas 600 pessoas em 5 meses. Muitos desses assassinatos foram transformados em espetáculo ao estilo da Velha Roma. A multidão, excitada pelos revolucionários, apontava para as vítimas e gritava : "É digno de Roma Antiga!". O ditador começa também a perseguir seus antigos companheiros.


Os ex-aliados de Fidel, vendo que foram traídos, formaram uma guerrilha nas montanhas de Escambray, mas foram vencidos pelo ditador e levados para o trabalho forçado nas plantações de tabaco.


Logo depois da tomada do poder, Fidel proibiu associações e suspendeu os direitos fundamentais dos cidadãos. Fez uma "limpeza", livrando-se dos opositores (matando, exilando ou prendendo) no melhor estilo de Stalin, verdadeiros "Processos de Moscou" em Havana. Em 1961, 131 padres são expulsos da ilha. Fidel diz num discurso: "quero que a cúria falangista faça as malas".


Em 1962 as greves são proibidas. Logo depois, Fidel cria a DSE (polícia interna), conhecida pelos cubanos como "Gestapo vermelha", para repressão dos opositores do regime. Torturas e ameaças foram usadas em grande escala para amedontrar a população.


Em 1965 foram criados os campos de concentração, os "UMAP". Mais de 30.000 pessoas foram levadas a eles, entre religiosos e "perigosos para o sistema". Foram tão desumanos que geraram protestos internacionais até de comunistas.


Em 1978 foi aprovada a lei da "periculosidade pré-delitiva", que em muito lembra o período do terror da Revolução Francesa e da época nazista. De acordo com essa lei, qualquer cidadão poderia ser preso por mera suspeita se as autoridades achassem que ele era perigoso para o Estado, e com isso podia ser torturado, preso ou enviado para os campos de trabalho forçado.


Com tanta repressão, muitos habitantes fugiram com barcos precários pelo mar, os famosos "balseros", 7.000 morreram. Fidel Castro, num ato de fúria, chegou a mandar helicópteros para afundá-los.


De acordo com as contas dos exilados cubanos de Miami e do "Le livre noir du communisme", de 1959 até hoje, Fidel Castro matou mais de 15.000 pessoas e exilou quase 2.000.000 de habitantes (quase 20% da população), incluindo sua filha Alina Fernandez (ela se recusa a usar o sobrenome "Castro").


Fidel Castro roubou as propriedades privadas das pessoas e da Igreja Católica, transformando-as em domínio público. Na verdade, transformou-as em suas propriedades, porque faz o que bem entender com elas.


Feito o terror e consolidado o poder, Fidel Castro transformou a ilha num satélite da antiga URSS, com a única diferença de que ela não precisou construir muro ou ter cerca eletrificada, pois ela é cercada de tubarões.


A economia socialista nunca funcionou bem em Cuba (aliás, em nenhum lugar do mundo deu resultado), já que sempre precisou do auxílio da antiga URSS, com a qual trocava petróleo por cana-de-açúcar, realizando um dos melhores négocios do mundo.


Cuba sempre foi sustentada artificialmente pelo bloco soviético. Mas, agora que a "mesada" de Moscou acabou, o ditador foi obrigado a promover reformas capitalistas para sobreviver. Os dados sociais sempre foram "maquiados", nunca correspondendo à realidade das coisas.


Segundo dados do governo cubano (que não são muito dignos de confiança), a mortalidade infantil de Cuba é uma das menores do mundo. Entretanto, esses dados perdem a consistência quando se analisa a taxa de abortos na ilha. É comum as mulheres fazerem 4 ou 5 abortos antes de terem o primeiro filho. O Estado dá todas as condições para as mulheres praticarem o assassinato intra-uterino, já que o aborto é legalizado.


Em Cuba existem duas classes sociais: a de Fidel e seus asseclas, e a do resto da população. A primeira vive muito bem, usufruindo de todos os bens de consumo que o dólar pode comprar (Fidel Castro anda de carro Mercedes-Benz, possui mordomo e adora lagostas).


A segunda é obrigada, por exemplo, a contentar-se com: ½ Kg de carne de porco misturada com soja a cada 15 dias; ½ Kg de carne de vaca e um sabão em pedra a cada 2 meses; 1 par de sapatos a cada 6 meses.


Os salários, apenas para exemplificar: um engenheiro ganha US$ 40, um jornalista US$ 30 e uma faxineira US$ 5 (não deveriam ganhar a mesma coisa?). Para efeito de comparação, uma refeição nos restaurantes ("paladares") custa em torno de US$ 20. Taxistas, porteiros e carregadores de hotéis 5 estrelas, prostitutas (Cuba é um dos destinos preferidos do chamado "turismo sexual") são os que ganham mais, pois recebem gorjetas em dólares. A maioria das pessoas, para não passar fome, faz "bicos" ou trabalha no mercado negro.


Apesar de ser uma ilha, em Cuba a pesca não é estimulada, pois Fidel tem medo que os pescadores fujam com seus barcos.


Para os que não pertencem ao PCC (Partido Comunista Cubano) não há a mínima condição de ascensão social.


Em Cuba, nas cidades, há bairros com esgotos a céu aberto, racionamentos de água, luz e combustíveis. Boa parte vive em cortiços, onde várias famílias se amontoam em espaços exíguos. Há fome no campo, principalmente na região de Guantânamo.


Na ilha havia muitos colégios católicos. Fidel confiscou-os e transformou-os em colégios ateus. Onde era ensinado Catolicismo, hoje se ensina a retórica ultrapassada e macabra do marxismo-leninista.


O governo cubano é nitidamente anti-católico. Os habitantes ficaram privados, durante 28 anos, da festa do Natal. Não podem construir Igrejas nem fazer procissões. Até 1992 o PCC não admitia cristãos entre seus membros.


Na saúde, só os membros do PCC têm acesso aos melhores tratamentos. O resto da população convive com racionamento, ou total falta de medicamentos.


De acordo com "Human Rights Watch", Cuba possui 800 presos políticos. Basta ter mera dissidência política para ser preso; não existem as mínimas garantias processuais.


Vivia-se muito melhor na época de Fulgêncio Batista, porque a repressão não era tão violenta, o aborto era proibido, havia várias escolas católicas, liberdade de culto para os católicos, possibilidade de ascensão social e respeito às propriedades privadas. Cuba, nessa época, possuía a 3a renda "per capita" da América Latina. Com Fidel, tem a 15a .


A história de Cuba de 1959 até hoje mostra um país marcado pela repressão brutal, pelo cerceamento das liberdades religiosas, espoliação das propriedades privadas, assassinatos, massacres e um nível de vida péssimo.


É inacreditável, portanto, ver pessoas elogiando Cuba e seu tirano Fidel Castro. Infelizmente, ainda existem aqueles que gostam dos regimes socialistas que tanta desgraça causaram ao mundo.


Algum tempo atrás, o ditador cubano ganhou o inusitado "Prêmio Muamar Kadafi de direitos humanos". Só falta, agora, ele ganhar algum prêmio instituído por Sadam Hussein ou por Milosevic.


O escritor cubano exilado Cabrera Infante definiu Fidel Castro como sendo: "O Idi Amin Dada branco" (referência ao ditador africano, famoso por sua tirania e crueldades).


Acreditamos que o escritor exagerou, foi muito ríspido, pois Idi Amin poderia ter ficado ofendido..


sábado, 23 de junho de 2007

Europa condena crimes Comunistas


ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DO CONSELHO DA EUROPA


Estrasburgo, 25 de Janeiro de 2006


Necessidade de uma condenação internacional dos crimes cometidos pelos regimes comunistas totalitários.


Resolução 1481 (2006)


2. Os regimes totalitários comunistas que governaram na Europa Central e de Leste no século passado, e que continuam ainda no poder em diversos países do mundo, caracterizaram-se, sem excepção, por violações massivas dos direitos humanos. As violações variaram consoante a cultura, o país e o período histórico e incluíram assassínios e execuções individuais e colectivas, mortes em campos de concentração, morte pela fome, deportações, tortura, trabalho forçado e outras formas de terror físico de massas, perseguição por motivos étnicos ou religiosos, atentados à liberdade de consciência, de pensamento e de expressão e à liberdade de imprensa e falta de pluralismo político.


3. Os crimes eram justificados em nome da teoria da luta de classes e do princípio da ditadura do proletariado. A interpretação destes dois princípios tornava legítima a "eliminação" das categorias de pessoas consideradas prejudiciais à construção de uma sociedade nova e, por conseguinte, como inimigos dos regimes comunistas totalitários. Em cada país, as vítimas eram em grande parte nacionais desse país. Foi o caso nomeadamente das populações da ex-URSS que, em número, foram mais vitimadas do que outras nacionalidades.


5. A queda dos regimes comunistas totalitários da Europa Central e Oriental não foi seguida de uma investigação internacional exaustiva e aprofundada, nem de um debate sobre os crimes cometidos por esses regimes. Além disso, os crimes em questão não foram condenados pela comunidade internacional, como foi o caso dos crimes horrendos cometidos pelo nacional-socialismo (nazismo).


6. Em consequência, o grande público está muito pouco consciente dos crimes cometidos pelos regimes comunistas totalitários. Os partidos comunistas são legais e ainda activos em certos países, mesmo quando não se demarcaram dos crimes cometidos no passado pelos regimes comunistas totalitários.


7. A Assembleia está convencida que a tomada de consciência da história é uma das condições a preencher para evitar a repetição de tais crimes no futuro. Além disso, o julgamento moral e a condenação dos crimes cometidos assumem um papel importante na educação dada às novas gerações. Uma posição clara da comunidade internacional sobre este passado poderá servir de referência para a sua acção futura.


9. Ainda subsistem regimes comunistas totalitários em alguns países do mundo e estes continuam a cometer crimes. Os pretensos interesses nacionais não devem impedir os países de criticar devidamente os regimes comunistas totalitários actuais. A Assembleia condena vivamente todas as violações de direitos do homem.


13. Além disso, convida todos os partidos comunistas e pós-comunistas dos seus Estados-membros que ainda o não tenham feito, a reexaminarem a história do comunismo e o seu próprio passado, e a demarcarem-se claramente dos crimes cometidos pelos regimes comunistas totalitários e condená-los sem ambiguidade.


terça-feira, 12 de junho de 2007

MICARETA

Por Fábio Rabello


Protestos públicos estão entrando na moda. A cada dia da semana pode-se assistir a um protesto diferente, numa cidade diferente e por um motivo diferente. O problema maior é que há sempre mais protestos que causas e, como já disse, a manifestação popular virou mania, virou vício. É prazeroso provocar tumulto no meio da Paulista, às três da tarde. É prazeroso abandoar o trabalho pela metade e ir tomar sol e chupar sorvete no centro da cidade. E com um pouquinho de sorte, pode-se aparecer na tv, à noite, segurando aquele toco de madeira com o qual se arrebentou a vidraça do Banco. Mais tarde, depois de gravar o noticiário no videocassete, descobre-se que a manifestação nada tinha a ver com Bancos. O importante, no entanto, é estar na moda. E disso brasileiro entende.


Quando George W. Bush, presidente do Estados Unidos, veio a São Paulo, uma multidão tomou conta das ruas da capital em protesto à visita. “Fora, Bush!”, gritava o povo. “Fora, George W. Bush!”, escreviam os mais estudados numa folha de cartolina velha e suja. Enquanto isso, uma equipe de reportagem de uma das maiores emissoras de rádio do país se encarregou de perguntar aos manifestantes o motivo pelo qual eles faziam tal protesto. “Por causa do Bush”, respondiam. “Quem é Bush”, insistia o repórter. “O homi que qué pegá o Bin Laden”, era a resposta mais ouvida. Ou então “A gente qué que ele vai embora!”. Como se vê, a maioria dos manifestantes não sabia o que e nem por que estava lá. Aquelas pessoas todas eram levadas pelo sentimento irracional do coletivo. É triste, mas a maioria das manifestações populares no Brasil tem um fundamento tão nítido quanto a comemoração do Carnaval. Todo mundo participa, comemora, mas ninguém sabe ao certo o quê. A única diferença entre as duas festas é que, nas manifestações públicas, nem sempre é obrigatório se despir.


Há pouco mais de dez dias, a Rádio Caracas Televisão era a maior emissora da Venezuela. A RCTV, como se tornou conhecida, foi tirada do ar por Hugo Chávez, presidente daquele país, sob a acusação de denegrir a imagem do governo venezuelano. A partir dessa premissa, Chávez fechou a maior instituição democrática de seu país e, por esse motivo, deu margem à realização de protestos públicos violentos. Os venezuelanos mobilizaram a nação com propósito e causa definidos: resgatar o caráter democrático do país. Um terço da população, no entanto, apoiou a atitude de Chávez. Um fato simples de ser explicado. O governo tem um programa que distribui dinheiro àqueles que se registram ao partido do presidente e, por esse motivo, eles passam a apoiá-lo. Não sei o nome do projeto venezuelano, mas sei que aqui no Brasil ele se chama Bolsa Família. Há, no entanto, que se ressaltar uma diferença entre os dois projetos. O de Lula atinge um número muito maior da população. Seria de esperar, então, que os venezuelanos protestassem mais, e os brasileiros, persuadidos pela esmola, menos. Mas não é o que acontece, pois, como já foi dito, tem-se que levar em consideração o caráter carnavalesco do brasileiro. Por isso mesmo, há uma lei em projeto na cidade de São Paulo que, se aprovada, obrigará toda manifestação popular acontecer às margens do rio Tietê, no sambódromo da capital.


Lula poderia imitar o governo de Chávez mais uma vez e fechar também nossa maior emissora de televisão. Eu o apoiaria. Eu concordaria com Lula. Quem sabe vetar aquela novelinha de final de tarde com sua meia dúzia de bonitões seminus não nos faria levantar do sofá para organizar mais um efusivo protesto?


Mesmo tendo certeza de que a manifestação teria como causa primeira a derrubada do governo pela simples volta da baixaria às telas, ainda assim, estaríamos em vantagem.

domingo, 3 de junho de 2007

Nova Batalha entre Nicolas Sarkozy e Segonele Royal


A menos de duas semanas das eleições, direita e esquerda jogam suas forças na batalha pelas legislativas na França: o presidente Nicolas Sarkozy, em posição de força, participava nesta terça-feira de um comício eleitoral no Havre, enquanto os líderes socialistas se uniram para um discurso em Paris.


Este confronto a distância entre Sarkozy e Ségolène Royal, derrotada na eleição presidencial de 6 de maio, aparece como uma espécie de "terceiro turno", com resultado, no entanto, mais uma vez favorável à direita.


O novo presidente estava no Havre (noroeste) para "uma grande congregação republicana", que será sua única participação na campanha.


"Não se deve cair na hipocrisia. É normal e coerente que o presidente da República queira poder aplicar o projeto que conseguiu fazer aprovar surante sua campanha", afirmou Patrick Devedjian, o novo secretário-geral da União por um Movimento Popular (UMP).


Nicolas Sarkozy, que conta, segundo uma pesquisa, com um nível de aprovação de 65%, escolheu para apresentar novamente seu programa uma cidade dirigida por um prefeito de centro-direita mas que acabou votando em Ségolène Royal no segundo turno da eleição presidencial.


Logo depois das legislativas de 10 e 17 de junho, ele pretende levar à aprovação dos deputados leis fiscais, penais, sobre a segurança e a imigração, além de uma lei sobre a autonomia das universidades, no contexto da "ruptura" que prometeu aos franceses.


A intervenção de um chefe de Estado numa campanha para legislativas é inusual na França, mas não inédita: Valéry Giscard d''Estaing (centro-direita) interveio em 1978, e o socialista François Mitterand, em 1986.


As pesquisas sobre as intenções de voto dos franceses são todas amplamente favoráveis à direita. Segundo a última pesquisa, do instituto Ipsos, a UMP reúne 43,5% dos votos, contra 28,5% do Partido Socialista (PS) e seus aliados.


Depois do segundo turno das legislativas, a UMP e seus aliados de direita devem obter entre 380 e 442 das 577 cadeiras do Parlamento, ou seja, muito mais que as 289 necessárias para caracterizar a maioria. Os deputados são eleitos por cinco anos.


Os socialistas ficariam com apenas 102 a 142 cadeiras, e os centristas de François Bayrou (18,57% dos votos nas eleições presidenciais), com apenas um a seis representantes.


Para limitar os danos, os socialistas, cujos líderes têm opiniões diferentes sobre as lições a tirar do fracasso de Ségolène Royal na eleição presidencial, devem tentar na noite desta terça-feira durante um grande comício eleitoral em Paris apresentar uma frente unida e combativa capaz de encarar o "buldôzer" Sarkozy.


Royal lançou segunda-feira um apelo à mobilização para "construir uma nova oposição".


"Quero que as pessoas sintam que eu estou aqui, firme e forte, e que haverá um amanhã", havia dito no sábado, já pensando na eleição presidencial de 2012.


O líder socialista Dominique Strauss-Kahn, da tendência "social-democrata", disse esperar que a derrota do PS nas legislativas não seja muito contundente, para que o partido possa empreender sua renovação.


Para o prefeito de Paris, o socialista Bertrand Delanoë, o presidente Sarkozy "precisa de uma oposição inteligente, construtiva e combativa".


"Um poder que dispõe de todos os comandos e que tem uma cultura autoritária inerente é perigoso para a França", sentenciou.


Fonte:Noticias Terra/ AFP


sábado, 2 de junho de 2007

PT assina acordo com Baath, ex-partido de Saddam Hussein


Da Folha de S.Paulo, em Brasília


O presidente do PT, Ricardo Berzoini, assinou, anteontem em Damasco, acordo de cooperação com o Partido Baath Árabe Socialista. O Baath comanda um regime autoritário na Síria desde 1963 e também foi o partido do ex-ditador iraquiano Saddam Hussein, enforcado em 2006.


O acordo, que tem validade até 2010, estabelece sete compromissos, como "incentivar a troca de visitas", tentar "coordenar os pontos de vista" quando os partidos estiverem presentes em congressos e fóruns regionais e internacionais, "promover a troca de publicações e de documentos partidários importantes" e "fortalecer" a cooperação entre organizações populares e "representantes da sociedade civil", para "intercâmbio de experiências".


Segundo texto divulgado pelo PT, os objetivos são "estreitar laços de amizade" e "melhor servir aos interesses comuns dos dois países e povos".


Para o cientista político Octaciano Nogueira, o acordo representaria um retorno do PT às origens, quando tinha tendências "stalinistas".


"Isso torna as coisas mais difíceis para Lula e nem tanto para o PT. Aliar-se ao Baath, que é um partido totalitário, num país [Síria] onde não há democracia, isso é uma volta à origem radical, ao stalinismo."


Para o professor David Fleischer, da Universidade de Brasília, o PT acompanha o mesmo movimento com o Baath em curso nos Estados Unidos e em Israel. Como o governo brasileiro também possui interesses na Síria, ele vê o acordo como "uma jogada esperta".


"O PT sempre teve um setor de relações internacionais bastante ativo. Essa iniciativa com o Baath, um partido muito reacionário, é inusitada, diferente. Pode ser que tenha aproveitado aproximação feita pelo governo brasileiro com a Síria. Neste sentido é uma jogada esperta."


Fundado em 1947 com proposta nacionalista e socialista, o Baath prega a criação de um Estado único árabe na região e reivindica terras ocupadas por Israel na Guerra dos Seis Dias.


O partido teve seu nome vinculado ao assassinato do ex-primeiro ministro do Líbano, Rafik Hariri, em 2005. Ele foi morto na explosão de um carro bomba, quatro meses depois de deixar o cargo. O presidente Lula visitou a Síria no primeiro ano de seu governo.


domingo, 27 de maio de 2007

Partido de premier direitista vence na Irlanda


Sáb, 26 Mai, 10h03


Javier Aja Dublin, 26 mai (EFE).- O partido Fianna Fáil (FF), do primeiro-ministro irlandês, Bertie Ahern, venceu as eleições gerais de quinta-feira após obter 78 das 166 cadeiras que integram o Parlamento de Dublin (o "Dáil"), segundo os resultados da apuração final.


Ahern poderá agora assumir seu terceiro mandato consecutivo à frente do Governo irlandês, mas o partido de centro ficou a cinco cadeiras da maioria absoluta e deverá buscar apoio entre os partidos minoritários e deputados independentes.


As opções do FF são tantas e tão diferentes que entre os possíveis candidatos aparecem ecologistas, neoliberais, conservadores, trabalhistas e centristas.


Se seus planos negociadores forem adiante, com esse terceiro mandato consecutivo Bertie Ahern igualaria o "pai" do estado irlandês e fundador do FF, Éamon de Valera.


Independentemente da composição do futuro Executivo, Ahern deixa claro que os preceitos que guiam há uma década a bem-sucedida economia da República - baixos impostos, incentivos fiscais para as multinacionais, privatizações e flexibilidade trabalhista - não devem ser mudados.


"Devemos ter um programa para governar (...) É importante que formemos um Governo estável pelo bem da imagem interna e externa do país", disse o "Taoiseach" (primeiro-ministro).


O FF foi seguido pela principal legenda de oposição, o Fine Gael, do conservador Enda Kenny, com 51 deputados, e pelo Partido Trabalhista, de Pat Rabbitte, com 20.


Longe ficaram os atuais parceiros do FF no Governo irlandês, os Democratas Progressistas, que perderam seis de seus oito parlamentares, enquanto o Partido Verde ficou com os seis deputados que conseguiu em 2002.


O Sinn Féin, o braço político do já inativo Exército Republicano Irlandês (IRA), também não ficou à altura das previsões ao perder uma das cinco cadeiras que tinha durante a legislatura anterior.


Os outros parlamentares, cinco no total, são candidatos independentes e algum deles poderia entrar no futuro Governo de coalizão se Ahern precisar de mais apoio.


No entanto, especula-se que Ahern ofereça a Rabbitte um posto no futuro Executivo, o que abriria então um intenso debate entre os trabalhistas partidários de chegar ao poder e os que se mantêm fiéis à idéia de oposição ao FF.


Sobre esse assunto, o líder esquerdista declarou que "não gostaria" fazer parte de um Governo com os republicanos, deixando entrever que, talvez, possa mudar de idéia caso seja o desejo de seu grupo parlamentar.


Ahern poderia até mesmo se aliar ao Partido Verde. O líder dos ecologistas, Trevor Sargent, pediu tempo para ver "como se desenvolverão as possíveis negociações", nas quais colocariam, por exemplo, a abolição de doações corporativas a partidos políticos e a aplicação de uma política energética sustentável.


Os verdes também buscam uma ampla reforma de serviços públicos, com a saúde e o transporte, setores que, na sua opinião, foram destruídos durante os dez anos de Governo do FF e do PD.


"Em princípio, será nosso partido que decidirá se pactuamos ou não. Vou me guiar pelo que disserem os membros do partido", disse Sargent.


Para Ahern, a lista de reivindicações dos ecologistas pode ser aceitável, desde que não influa negativamente no desempenho da economia.


A única legenda que parece descartada das combinações de Governo é o Sinn Féin, já que o FF acredita que suas teorias econômicas de esquerda radical podem frear o progresso da Irlanda. EFE

sábado, 26 de maio de 2007

Relação entre as FARC e o MST


Correio Braziliense


Maria Clara Prates

Do Estado de Minas

Enviada especial ao Paraguai


Salto del Guayrá - A presença do grupo guerrilheiro colombiano Forças Armadas Revoluncionárias da Colômbia (Farc) no Brasil não se restringe hoje apenas à montagem de bases estratégicas para o tráfico de drogas e armas na selva amazônica. As ações das Farc incluem o treinamento de criminosos e líderes de movimentos sociais, entre eles o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Os centros estão montados estrategicamente na fronteira do Brasil com o Paraguai. Relatórios sigilosos em poder de autoridades brasileiras e paraguaias registram a ocorrência de pelo menos três cursos sobre técnicas de guerrilha destinados a brasileiros, realizados este ano - em maio, julho e agosto - na região de Pindoty Porã, departamento de Canindeyú, no Paraguai, cidade na fronteira com o Mato Grosso do Sul e o Paraná.


Pelo menos um desses cursos, sobre técnicas de primeiro socorros e contra-informação, que aconteceu entre 22 e 24 de julho, teve como público alvo integrantes do MST dos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná. Sob a batuta dos mesmos instrutores colombianos, o último treinamento, que aconteceu em 29 de agosto, foi destinado a integrantes de quadrilhas responsáveis pela segurança de pontos de distribuição de drogas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Na instrução, foram passadas aos alunos brasileiros informações sobre uso em guerrilha urbana.


A escolha da região de Pindoty Porã pelas Farc não é aleatória. O local vem sendo usado, há pelo menos dois anos, como ponto estratégico para o tráfico de maconha, cocaína e armas, que prospera com a conivência de autoridades paraguaias e sob o beneplácito da frágil legislação daquele país.


Difícil acesso


Os levantamentos do Serviço de Inteligência Externa da Secretaria Nacional Antidrogas paraguaia revelam que um dos locais utilizados como centro de treinamento das Farc no Paraguai é a fazenda do brasileiro Dioclésio Festa, acusado de controlar o tráfico de cocaína no Sul do Brasil usando a rota de Salto del Guayrá. Sua propriedade está localizada no município de Itanarã e é equipada com pista de pouso para facilitar as ações.


O acesso é por precárias estradas vicinais de terra batida. Só quem conhece bem o local consegue chegar à fazenda. Uma grande reserva de mata de cerrado, protegida com recursos do Banco Mundial, torna ainda mais difícil o acesso e o patrulhamento eficiente da região. No local, está instalado um posto do Exército paraguaio semi-abandonado. Pistas de pouso clandestinastambém cortam toda a área. No período de capacitação dos sem-terra, o tempo ruim, com chuvas e baixíssimas temperaturas, comprometeu os exercícios externos e todo o curso aconteceu nas salas de aula.


Os relatórios trocados entre Brasil e Paraguai garantem existir um grande interesse das Farc em brasileiros, que nos últimos anos têm sido parceiros da guerrilha em atividades ilícitas como o tráfico de drogas e de armas. Eles confirmam também que os cursos ministrados pelas Farc são destinados a entidades civis organizadas e citam nominalmente o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra. Nos documentos, existem fartas informações sobre os instrutores dos treinamentos, que se escondem sob o manto dos codinomes.


Um dos colombianos responsável pelo treinamento de brasileiros é descrito como um homem com pleno domínio da língua portuguesa, mas que não consegue esconder o seu forte sotaque castelhano. É especialista em guerrilha rural e ideologia política, mas ensina também a manejar explosivos e pistolas e é um expert em artes marciais. Segundo os relatos dos serviços de informação, o instrutor é uma pessoa muito conhecida na fronteira e transita com desenvoltura por toda a região. Os serviços de inteligência do Brasil e do Paraguai tentam agora descobrir sua verdadeira identidade e, a partir disso, chegar ao restante do grupo - que muda conforme a técnica a ser repassada e o público alvo.


A coordenação geral do MST informou, através de sua assessoria de imprensa, em São Paulo, que não tem conhecimento da participação de integrantes do movimento em treinamentos promovidos pelas Farc no Paraguai. Segundo a assessoria, não é a primeira vez que o movimento é alvo de acusações infundadas. A coordenação ressaltou que o MST mantém relações de intercâmbio apenas com organizações camponesas na América Latina.


OS ALUNOS


Estes são alguns dos brasileiros que segundo investigações participaram dos cursos no Paraguai:


Nome usado no Brasil - Nome usado no curso


João José Saracuna;Franz Marimbondo; Severo Corticeira;Pereira Neguinho;Nunes Bem-te-vi;Alfeu Furão ;Sebastião Pescador;Brasil Viajante.


Empresários garantem impunidade à guerrilha


Falsos homens de negócio e agropecuaristas apóiam as operações guerrilheiras das Farc com recursos financeiros, amigos influentes e a colocação de aliados em órgãos de fiscalização do Paraguai


As apurações conjuntas de serviços de inteligência do Brasil e do Paraguai constataram que, para prosperar e garantir a impunidade, os integrantes das Farc contam com aliados que se apresentam como bem-sucedidos homens de negócio e agropecuaristas. Na cidade de Salto del Guayrá, capital do departamento de Canindeyú, a apenas uma hora de vôo de Pindoty Porã, o comerciante paraguaio Nicolas Tutunys é investigado como um dos parceiros da guerrilha.


Proprietário das empresas Tower's, que incluem posto de gasolina, lojas de importados, hotéis, concessionárias de veículos e fazendas, Tutunys praticamente controla a cidade. Suas lojas estão instaladas estrategicamente na Avenida Paraguai, a principal via de Salto del Guayrá, cidade que hoje funciona como uma opção a Ciudad del Este para a compra de equipamentos eletrônicos e todo o tipo de mercadoria contrabandeada.


A prosperidade do comerciante pode ser vista logo na entrada da cidade, onde está instalado um amplo shopping, que também faz parte das empresas de seu grupo. Seu sucesso financeiro o transformou, segundo investigações, num dos principais financiadores das atividades das Farc na região, algumas vezes cedendo os aposentos de seus hotéis para receber os guerrilheiros. A fachada legal de seus negócios, visível nas calçadas onde desfilam policiais com pesados armamentos, ajuda, segundo apurações das autoridades paraguaias, a esconder atividades ilícitas como o contrabando de armas, de cigarros e de produtos eletrônicos e a fazer a lavagem do dinheiro.


Além do comerciante paraguaio, o brasileiro José Leandro da Costa, proprietário da Casa Rossi, naquela cidade, dedicada ao comércio de armas de fogo e munições, também é investigado por ser um suposto fornecedor de armamento, dos mais variados calibres, para as Farc.


Políticos influentes


Mas somente fontes de financiamento não garantem o sucesso de ousadas investidas da guerrilha em território paraguaio e brasileiro e, por isso, vale lançar mão de amigos influentes para garantir impunidade e facilitar os negócios ilícitos. Apuração dos serviços de inteligência demonstra uma grande proximidade entre integrantes da guerrilha e o paraguaio Marciano Godoy, que é presidente da Associação Nacional Republicana, ligada ao Partido Colorado, no Departamento de Canindeyú.


Godoy é suspeito de ser o homem que abre as portas de órgãos públicos do Paraguai, como a Fiscalia e a Aduana, que funcionam nos moldes doMinistério Público e da Receita Federal, e a polícia para viabilizar as atividades criminosas de diferentes grupos, entre eles as Farc.Valendo-se de seu prestígio político, Godoy contribui para nomear para postos chaves seus aliados. No Brasil, outro aliado seria o cônsul do Paraguai em Guaira (PR), Mário Gonzales Cardoso, investigado por ligações ao roubo de veículos e carga e ao contrabando de cigarros e eletrônicos.


Todos negam qualquer envolvimento com organizações criminosas e com a guerrilha colombiana. Reafirmam que a saúde financeira é fruto de bons negócios legais.


Obs: Materia feita entre 2004/2005.