segunda-feira, 1 de junho de 2009

Decisão judicial inusitada contra Fidel e Che

Juiz concede US$ 1 bi a cubano que processou Fidel e Che



Um juiz dos Estados Unidos concedeu nesta sexta-feira, 29, uma indenização de mais de US$ 1 bilhão a um cubano que processou o ex-presidente de Cuba Fidel Castro e Ernesto Che Guevara pelo suicídio de seu pai em 1959. O magistrado Peter Adrien emitiu sua decisão a favor de Gustavo Villoldo, um ex-agente da CIA (agência central de inteligência dos EUA) que participou da captura de Che na Bolívia, em 1967.


"A justiça foi feita", disse o cubano, de 72 anos, após a sentença do juiz. No processo, Villoldo disse que o pai, de mesmo nome, ingeriu um frasco de pílulas para dormir três semanas depois que Che, como gerente do Banco Nacional de Cuba, comunicou que sua empresa, uma distribuidora da General Motors (GM), seria confiscada. A apreensão era parte do plano para desmantelar o capitalismo em Cuba, após a vitória da revolução, e o litigante disse que isso deixou sua família na ruína financeira.

Esta ação foi qualificada pelo juiz como uma "tortura" à família Villoldo. A indenização é a maior concedida até o momento em ações contra o governo cubano após a de US$ 253 milhões outorgada aos filhos do cubano Rafael del Pino Siero, que morreu na prisão após deixar o regime castrista.

O advogado de Villoldo disse que tentarão receber o dinheiro dos fundos congelados do governo cubano, mas juristas consideram que será um trabalho difícil porque os recursos que estavam em uma conta bancária em Nova York foram, em parte, usados para pagar a indenização aos parentes de outras vítimas do regime.

Um comentário:

o caipira disse...

O cara é da CIA, acompanhou a captura de CHE, o mataram e ainda quer indenização? Não é vingança demais não?