quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Em um lugar diferente ou em uma Cuba diferente?


Por Yoani Sánchez

Instituto Millenium

A fila em frente ao consulado espanhol se estende por mais de cem metros.

Netos de espanhóis, gente com um comprovante de nascimento de um avô asturiano, galego ou andaluz nas mãos para obter o passaporte comunitário, documento que permite emigrar.

Os cubanos não manifestam sua frustração com cartazes de protesto, nem nas urnas eleitorais quando votam por seus representantes locais.

O que fazem todos os dias é pressionar as embaixadas, movidos por uma obsessão: fugir. Essa sangria constante não diminuiu com a chegada ao poder de Raúl Castro. Parece até mesmo que a ânsia de fugir aumentou, porque as reformas de Raúl estão sendo implementadas com tanta falta de entusiasmo que não convencem esses compatriotas de ficar na ilha. Sinto-me, então, sozinha quando garanto para meus amigos que minha vida não está em outra parte, a não ser em uma outra Cuba.
Em um país do futuro onde ninguém será penalizado pela opinião e onde não precisaremos de autorização para entrar e sair de nossas fronteiras.

Ainda que pareça distante essa nação, o primeiro passo para originá-la já está dado, e é o aumento da crítica cidadã que tem obrigado o governo a adotar tímidas transformações.

Desde a metade de 2008, os cubanos podem ter um contrato de telefonia móvel, se hospedar em um hotel e comprar legalmente um computador. Tais mudanças ainda não aliviaram substancialmente o cotidiano.

Continuamos incomodados devido à dualidade monetária que implica em ganhar os salários em uma moeda e comprar boa parte dos alimentos em outra.

Também começou uma redução drástica dos empregos estatais, com o qual se antecipa o pior pesadelo que os propagandistas oficiais anunciavam para depois da derrubada do sistema.

Cuba marcha como um neoliberalismo de uniforme verde-oliva, como uma terapia de choque que nega todos os manuais de conteúdo marxista.

Por outro lado, a lentidão na implementação das flexibilizações econômicas tem se mostrado tal que até mesmo os militantes do Partido Comunista, controlados pelo pragmatismo do General, estão sendo defraudados.

Nem a entrega das terras ociosas -em usufruto de dez anos-representou a queda dos preços dos vegetais e das frutas, nem a ampliação do emprego por conta própria entusiasma uma população ofuscada pela apatia, pela corrupção e pelo incessante desvio de recursos.

É necessária uma alta dose de ingenuidade para acreditar que o ditador Raúl Castro obterá êxito em encaminhar o país para a obtenção de estabilidade e prosperidade.

Ao considerar que os cubanos continuam preenchendo formulários nos consulados, o dilema de tentar resolver o problema de forma nacional ou pessoal se torna o cerne da questão, sendo que a opção mais viável parece ser a segunda.

Leia Mais Aqui

Um comentário:

Roberto disse...

Prezados...
Eu estou lendo e vendo fundamentação em algumas coisas e não em outras...
A Direita, segundo consta, nos anais mundiais é composta por aqueles que não querem mudança.
Por que não querer mudança? Porque está ótimo (para quem é de direita) assim e os outros que se virem...
Se retrocedermos, quem era de direita? Paulo Maluf, era, pois não? Delfim Netto, era, né? Hoje: Capitão Conte?...
Então, retrocedendo: a Arena...
Retrocedendo: os militares que foram os golpista do nosso Brasil, ceifando milhares de mentes brilhantes, como uma máquina de lavagem cerebral em massa, com o uso de armas e artifícios anti-humanos.
É essa a postura de vocês, realmente?